Mensagens de Bom Dia com Deus - Good morning messages with God - ¡Mensajes de buenos días con Dios

Bom Dia com Deus

Canal Luisa Criativa

Escola Bíblica

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Jesus Perante o Sinédrio...

O Sinédrio Julga Jesus - Caifás o Sumo Sacerdote


Logo após sua prisão, no Jardim do Getsêmani, Jesus foi conduzido à casa de Anás, sogro do sumo sacerdote Caifás. Anás foi sumo sacerdote do ano 7 ao 14 d.C. Ele foi destituído pelos romanos.
Caifás, genro de Anás, foi indicado pelos romanos para a posição e serviu durante os anos 18 ao 37 d.C. Embora Anás tivesse sido deposto, aos olhos dos judeus ele continuava a ser o sumo sacerdote, pois esta era uma função vitalícia.
Foi por isso que eles levaram Jesus para Anás primeiro. Anás era um conselheiro adequado para apontar o rumo que o processo de Jesus deveria seguir. Os sacerdotes queriam saber qual era o parecer dele antes que o Mestre comparecesse diante do Sinédrio. Anás residia no palácio de Caifás ou eram vizinhos.
"E conduziram-no primeiramente a Anás, por ser sogro de Caifás, que era o sumo sacerdote daquele ano." João 18:13
o sinédrio, jesus e caifasCaifás, Sumo Sacerdote, Interroga Jesus no Sinédrio.

Jesus Perante Caifás

João logo lembra em seu relato, que Caifás foi aquele que fez a predição de que Jesus deveria morrer por toda nação. Caifás era o sobrenome do sumo sacerdote. Seu nome era José. Ele foi nomeado pelo pro-cônsul Valério Grato, e exerceu seu sacerdócio até o ano 37, segundo o historiador judeu Flávio Josefo. 

O imperador romano nomeou não menos que 38 homens para ocupar o cargo. Caifás se manteve como sumo sacerdote por 18 anos por causa da sua habilidade política.
Quando da chegada de Jesus à casa de Caifás, os membros do Sinédrio, convocados com urgência, tarde da noite, ainda não estavam reunidos. Porém, Caifás submeteu Jesus a um prévio interrogatório. O objetivo era reunir provas contra Jesus. Ele estava interessado em saber dos discípulos de Jesus e sobre a sua doutrina.
"Jesus lhe respondeu: Eu falei abertamente ao mundo; eu sempre ensinei na sinagoga e no templo, onde os judeus sempre se ajuntam, e nada disse em oculto." João 18:20
Jesus sempre ensinou em locais públicos, diante de auditórios numerosos. O Mestre falava em todos os lugares, nas sinagogas, e nos pátios do templo, abertos a todos os judeus.
Jesus havia pregado também ao ar livre, às margens do mar da Galiléia e nas montanhas. Nenhum outro doutor alcançara tantas pessoas.
"Para que me perguntas a mim? Pergunta aos que ouviram o que é que lhes ensinei; eis que eles sabem o que eu lhes tenho dito." João 18:21
o sinédrioO Sinédrio Julga Jesus.
Segundo a Lei, a testemunha de defesa devia ser chamada primeiro. Jesus não podia ser interrogado antes das testemunhas serem ouvidas.
"E, tendo dito isto, um dos servidores que ali estavam, deu uma bofetada em Jesus, dizendo: Assim respondes ao sumo sacerdote?" João 18:22
Segundo a Lei judaica, outro ato ilegal foi cometido. Ninguém podia ser punido, antes de ser condenado. Caifás não repreendeu a intromissão de seu subordinado, ao que Jesus o fez com um argumento irrefutável:
"Respondeu-lhe Jesus: Se falei mal, dá testemunho do mal; e, se bem, por que me feres?" João 18:23-24

O Sinédrio Julga Jesus

O Sinédrio era a corte suprema, a instância de maior autoridade entre os judeus. E Caifás como sumo sacerdote, levou uma trama muito bem eleborada, na qual foi feito um julgamento ilegal e, foram trazidas falsas testemunhas para depor contra o Mestre.
A sala de audiência do Sinédrio, ficava no primeiro piso do palácio de Caifás. Quando se realizava a sessão judicial em seu lugar de costume, cada um dos juízes tinha o seu lugar assinalado. Sentavam-se em semicírculos, sobre grandes almofadas. No centro, em pisos elevados, colocavam-se o presidente e o vice-presidente.
Perto deles, ficavam os sábios, que eram os conselheiros da alta assembléia. Em cada um dos dois extremos, colocava-se um secretário: O da direita anotava tudo que servia de defesa do acusado.; o da esquerda, tudo que lhe era contrário. O acusado era posto no meio da sala, rodeado por guardas.
Entretanto, neste caso, não havia nenhuma justiça em curso, visto que Jesus já estava condenado, muito antes de ser julgado. O que eles queriam na verdade, era apenas uma aparência de julgamento, para terem o que alegar diante de Pilatos.
"E não o achavam; apesar de se apresentarem muitas testemunhas falsas, não o achavam. Mas, por fim chegaram duas testemunhas falsas." Mateus 26:60
As falsas testemunhas (que haviam sido subornadas) não apresentavam coerência e acordo em suas acusações. E, segundo a Lei de Moisés, um testemunho não tinha valor se seus depoentes não estivessem de acordo em todos os pontos.
Deus permitiu esse desacordo para que não restasse sobre Jesus nenhuma sombra de culpa. Como não era possível condenar Jesus sem nenhuma prova de culpabilidade, Caifás com orgulho ferido, de modo irreverente exigiu:
"Jesus, porém, guardava silêncio. E, insistindo o sumo sacerdote, disse-lhe: Conjuro-te pelo Deus vivo que nos digas se tu és o Cristo, o Filho de Deus." Mateus 26:63
Caifás usou o título "Filho de Deus" para obrigar Jesus a responder afirmativamente e, assim, acusá-lo de blasfêmia, conseguindo o apoio da assembléia para matá-lo. O Mestre não podia negar a si mesmo, pois ele era realmente o Messias, filho do Altíssimo.
"E Jesus disse-lhe: Eu o sou, e vereis o Filho do homem assentado à direita do poder de Deus, e vindo sobre as nuvens do céu." Marcos 14:62
Se eles fossem realmente amantes da verdade, teriam investigado com cuidado a séria afirmação de Jesus. A vida do Mestre, sua pregação e seus milagres, comparados ao testemunho que acabara de dar, continham provas incontestáveis de sua natureza divina.
"E o sumo sacerdote, rasgando as suas vestes, disse: Para que necessitamos de mais testemunhas?" Marcos 14:63-64
Porém não era isso que os inimigos de Jesus buscavam. Queriam condená-lo à morte, a qualquer custo!
"Vós ouvistes a blasfêmia; que vos parece? E todos o consideraram culpado de morte. E alguns começaram a cuspir nele, e a cobrir-lhe o rosto, e a dar-lhe punhadas, e a dizer-lhe: Profetiza. E os servidores davam-lhe bofetadas." Marcos 14:64-66
A Lei exigia que cada juiz expressasse separadamente o seu voto, mas todos os juízes do Sinédrio, passando por cima das prescrições legais, pronunciaram de uma só vez a sentença de morte contra Jesus.

Páscoa...

O nome e o significado da palavra "Páscoa"


O nome que a Bíblia Hebraica usa para denominar "Páscoa" é pesah. Com a palavra pesah o texto bíblico quer significar duas coisas:
  1. o ritual ou celebração da primeira festa do antigo calendário bíblico (Ex 12.11,27,43,48);
  2. a vítima do sacrifício, isto é, o cordeiro pascal (Ex 12.21; Dt 16.2,5-6).
Na Bíblia Sagrada, o nome de uma pessoa ou instituição é sempre um dado importante para se conhecer o que eles são e o que representam. O nome não é um simples rótulo, uma etiqueta ou uma fachada publicitária, mas ele exprime a realidade do ser que o carrega e representa. Assim é o nome "Páscoa".
O substantivo Pesah/Páscoa vem da raiz verbal psh que aparece três vezes nos relatos pascais (Ex 12.13,23,27; ler também Is 31.5; 1 Rs 18.21,26). Assim, o verbo pasah passar por cima, saltar por cima é o significado que prevalece nos usos deste termo pelos escritores e escritoras da Bíblia Sagrada. O Prof. Luiz Roberto Alves assim definiu o termo Pesah/Páscoa:
"O verbo que dá base ao substantivo Pesah tem o sentido de salto, movimento,caminhada, travessia. Todas as palavras têm história e essa história corresponde às ações dos homens e mulheres. Os hebreus juntaram à idéia do pesah vários acontecimentos ligados à idéia de travessia" (Expositor Cristão, 2a. Quinzena, 1984,p. 12)."

A origem da Páscoa

Falar de origem da Páscoa é entrar no campo das suposições, pois não há dados suficientes que ajudam a esclarecer sobre essa celebração no período pré-mosaico. Todavia, os textos do Antigo Testamento fornecem indicações que a Páscoa, em suas origens, foi um ritual ou cerimônia que incluía as seguintes características:
a) O ritual era realizado no seio da família ou clã; não tinha altares, santuários e sacerdotes ou qualquer influência do culto oficial;
b) Era celebrado por pastores nômades ou seminômades;
c) O ato central desse ritual era o sacrifício de um jovem animal do rebanho de cabras ovelhas;
d) A cerimônia ocorria no fim da primavera e início do verão (mês de abril), numa noite de lua cheia;
e) O ritual da celebração pascal incluía as seguintes etapas:
- Retirava-se o sangue do animal,
- Ungia a entrada das cabanas com o sangue do animal,
- Assava a carne do animal,
- Com a carne assada, fazia um grande banquete para a família reunida,
- O banquete oferecido incluía a presença de pães ázimos ou asmos, ervas amargas nascidas no deserto,
- A celebração da Páscoa exigia dos participantes desse ritual as seguintes posturas:
Ter uma atitude de marcha e pressa,
Usar vestimenta para viagem,
Ter as vestes amarradas na cintura,
Atar as sandálias nos pés,
Ter o cajado de pastor na mão.
f) Parece que o objetivo dessa cerimônia era pedir proteção divina, para a família e o seu rebanho de animais menores contra o exterminador (no hebraico, maxehit - Ex 12.13, 23) ou saqueador, bando de destruição (1 Sm 13.17; 14.15; Pr 18.9). O exterminador maxehit pode ser qualquer tipo de agressor, desgraça, enfermidade, peste ou acidente que poderia ocorrer com qualquer membro da família ou os seus animais.
g) Provavelmente, esse ritual foi celebrado por Abraão, Isaac e Jacó, pois eles eram pastores. A cada ano, na primavera, quando o vento quente do deserto, anunciando o verão, atingia e queimava as parcas pastagens das ovelhas, os pastores, suas famílias, bem como os seus rebanhos eram obrigados a buscar outros lugares para dar de comer as suas ovelhas.
A Páscoa celebrada pelos israelitas: da sedentarização até o início da Monarquia (1200 - 1040 a.C.).
Evidentemente que o sistema de vida dos israelitas mudou substancialmente após a chegada a Canaã.
a) O povo israelita deixou de ser semi-nômade e deu início ao processo de sedentarização. Paulatinamente, o povo foi se tornando agricultor, embora parte dele continuou na vida pastoril, especialmente, as clãs que permaneceram vivendo nas localidades periféricas do território da terra de Israel.
b) Ao se fixar nas terras agrícolas, os israelitas aproximaram-se dos cananeus. Foi aí que o povo do êxodo conheceu algumas festas relacionadas ao mundo agrícola. Entre essas instituições estão as festas agrícolas, como Ázimos, Semanas e Colheitas.
c)Foi nesse período de difícil adaptação que se dá a integração da Festa dos Pães Ázimos e a Páscoa. As duas celebrações ocorriam no mesmo período.
d) No período entre a chegada do povo israelita à Canaã e a sedentarização ocorreu uma profunda transformação no significado da Páscoa.
  • O conteúdo e a forma da cerimônia da primitiva da Páscoa já não respondem as condições de vida atuais do povo israelita. Exigiam-se modificações.
  • Apesar da Páscoa manter boa parte de seu antigo ritual, o povo israelita procurou encontrar outros motivos para a celebração.
  • A cerimônia continuou a ser celebrada em família, mas a Páscoa deixou de ser um ritual ligado à troca de favores divinos, para tornar-se uma memória da ação de Deus, salvando o povo hebreu da escravidão.
e) O mais primitivo ritual da Páscoa encontra-se em Êxodo 12.21-28.
Estudo Bíblico: Ex 12.21-28
I. Instrução de Javé para Moisés e Aarão - v. 21-27a.
1. Introdução: Moisés convocou todos os anciãos de Israel e disse-lhes:
2. A instrução para a missão de Moisés e Aarão - v. 21b-27a.
2.1. Instruções para a Páscoa - v. 21b-22
Tirai,
Tomai um animal do rebanho segundo as vossas famílias e
Imolai a Páscoa.
Tomai alguns ramos de hissopo,
Molhai-o no sangue que estiver na bacia, e
Marcai a travessa da porta e os seus marcos com o sangue que estiver na bacia;
Nenhum de vós saia da porta de casa até pela manhã
2 - Razão para celebrar a Páscoa - v. 23
e Javé passará para ferir os egípcios;
e quando Ele vir o sangue sobre a travessa,
e sobre os dois marcos,
Ele passará adiante dessa porta,
e Ele não permitirá que o exterminador entre em vossas casas para vos ferir.
3 - Ordem para a celebração da Páscoa - v. 24-25
Observareis esta determinação como um decreto para vós e para vossos filhos, para sempre.
Quando tiverdes entrado na terra que Javé vós dará, como disse,
Observareis este rito.
4 - Explicação sobre a festa e o significado no nome ´Páscoa` - v. 26-27a.
Quando vossos filhos vos perguntarem: "Que rito é este?"
Respondereis:
"É o sacrifício da Páscoa para Javé que passou adiante das casas dos filho
Então o povo se ajoelhou e se prostrou.
Foram-se os filhos de Israel e fizeram isso, como Javé ordenara a Moisés e a Aarão, assim fizeram.

Comentando:

A forma literária com a qual este ritual foi elaborado é perfeita.
Primeiro, o texto mostra Moisés convocando os anciãos do povo, a mando de Javé (conforme Ex 12.1), para preparar a festa da Páscoa (v. 21b-22).
Segundo, Moisés instrui, com detalhes, os anciãos para preparar os elementos que comporiam o ritual (v.21b-22).
Terceiro, Moisés fornece as razões para aquele ritual, bem como o uso do sangue de uma ovelha e o hissopo (planta aromática - Nm 19.6; Sl 51.9): o motivo da festa é afugentar o medo do vento exterminador que ameaça as casas do povo hebreu (v. 23).
Quarto, a ordem para celebrar a Páscoa tem uma dimensão profética. A Páscoa vai além da contagem do tempo humano, cronológico. A celebração não encerra um simples agradecimento, pela libertação da escravidão e a concessão da terra para morar, criar a família e plantar para obter o alimento. A celebração possui a dimensão profética da contínua presença salvadora de Deus junto ao seu povo. Jesus captou essa amplitude da celebração quando disse: "Fazei isso em memória de mim... até que Ele venha" (1 Co 11.24b e 26b).
Quinto: os versos 26-27a providenciam a explicação do nome "Páscoa" para as gerações e gerações de salvos da escravidão. Com isso, o texto bíblico quer mostrar que essa celebração da Páscoa possui uma novidade. Ela não é mais dominada pelo medo do Faraó ou dos outros possíveis "exterminadores" que possam haver nos caminhos do povo de Deus. A celebração da Páscoa, do povo liberto e instalado na terra de Canaã, passa a ser marcada pela alegria e certeza da presença de Deus entre o povo liberto e salvo.
Sexto: os versos 27b-28 assinalam o cumprimento da ordem divina para celebrar a Páscoa.
Observações
(1) A prescrição sobre a celebração da Páscoa (Ex 12.21-28) é legitimada pelo editor do livro de Êxodo. Assim, o cabeçalho deste capítulo (Ex 12.1) afirma que a prescrição da Páscoa (12.21-28) é autorizada por Javé. Eis a sua lógica:
  1. Javé comunica a Moisés e Aarão;
  2. Moisés e Aarão ouvem as ordens de Javé;
  3. Moisés e Aarão obedecem e comunicam aos anciãos de Israel.
(2) A celebração continuava a ser celebrada em família. A Bíblia Sagrada ensina que a família constitui o fundamento para o projeto de sociedade que Deus propõe para a humanidade.
(3) Foram mantidos vários elementos na celebração: ovelhas e ramos de hissopo (erva aromática). Evidentemente que houve algumas modificações, em razão da nova situação de vida do povo, agora, vivendo em Canaã.
(4) Todavia, a antiga Páscoa foi "relida" e "re-significada". O antigo culto dos pastores semi-nômades possuía a função de controlar as forças da natureza. Por exemplo, os povos anteriores aos hebreus acreditavam que oferecendo em sacrifício o filho primogênito, poderia controlar a bênção e a ira divina. Como na cerimônia da primitiva Páscoa, os pastores acreditavam que poderiam amenizar a ira divina do "vento destruidor".
(5) Na verdade, o povo bíblico tomou antigos costumes dos povos vizinhos e os converteu em instrumentos de preservação e ensino da fé. No caso da Páscoa, o povo bíblico tomou uma cerimônia pagã, que girava em torno de uma magia, e a transformou em um sinal da presença salvadora de Javé. Em outras palavras, a nova celebração da Páscoa mostra que a fé não é um dado doutrinário ou mágico, mas um gesto história de Javé.
IV - Da sedentarização do povo de Israel ao período monárquico.
Após os acontecimentos que envolveram a saída do Egito - a difícil caminhada pelos desertos, os muitos "sinais e maravilhas" realizados por Javé e o cumprimento da promessa de "uma terra que mana leite e mel" - o povo bíblico juntou à idéia da Páscoa aos acontecimentos acima descritos. A Páscoa dos nômades deixou de ser uma cerimônia mágica que procurava afugentar o medo do "exterminador", que se supunha estava próximo, para se tornar uma afirmação concreta da plena liberdade que Javé dá.
  • Foi nesse momento que o povo bíblico tomou consciência que a sua fé em Javé não era uma formalidade a mais entre os povos do Antigo Oriente. Javé não é definido pelo seu ser, mas pela sua atuação na história: Ele ouviu o grito angustiado dos/as escravos/as do Egito e providenciou os meios para a libertação deles (Ex 3-4);
  • A celebração da Páscoa, agora reformulada e "re-significada", passa afirmar que a fé bíblica é histórica, e que tem seu fundamento nos acontecimentos salvíficos relatados nos livros de Êxodo, Números e Deuteronômio, especialmente;
O outro ritual da Páscoa, relatado em Êxodo 12.1-14, provavelmente, representa a segunda forma litúrgica mais primitiva, entre todas incluídas no Antigo Testamento. Ao tornar-se sedentário, o povo de Israel mudou substancialmente seu sistema de vida:
  • de escravos tornaram-se livres;
  • de pastores tornaram-se agricultores;
  • de semi-nômades tornaram-se sedentários.
  • A história da salvação do Egito não é ensinada, nas casas e nos cultos, como uma doutrina, mas como um fato histórico, isto é, um milagre de Deus ocorrido na história de seus pais;
  • A fé em Javé, através da celebração da Páscoa, tornou-se uma força transformadora;
  • do medo à coragem;
  • da magia a atos concretos da atuação de Javé;
  • da escravidão à liberdade.
  • O nome da festa, pesah saltar - o saltar do vento destruidor, demoníaco - passa significar, em conexão com a história de libertação dos hebreus, passar por cima de, saltar para a liberdade;
  • O sacrifício de um cordeiro deixa de ser um simples sacrifício de sangue para se tornar uma memória dos atos salvíficos de Javé. Por isso, a celebração da Páscoa passa a ser prescrita como "um Páscoa para Javé".
V - A Páscoa no período monárquico.
  • Há silêncio sobre a celebração da Páscoa, exceto o profeta do Reino do Norte Oséias que critica o povo pela ausência da celebração(Os 12).
VI - Da celebração caseira para a cerimônia no Templo de Jerusalém.
O rei Josias (642-609 antes de Cristo) empreendeu uma ampla reforma no Reino de Judá (O Reino de Israel já tinha sido destruído em 722 a.C.).
  • Por determinação do rei Josias, a Páscoa passou a ser celebrada, oficialmente, no Templo, em Jerusalém (Dt 16.1-8);
  • A reforma equipara a Páscoa a uma festa de peregrinação (ver a coleção "Salmos das Subidas" (Sl 120-134);
  • O gado maior (boi) passa a ser admitido como vítima para o sacrifício;
  • Surgiu a permissão para cozer a vítima, em lugar de assá-la;
  • A memória do êxodo do Egito continuou sendo o motivo principal da celebração.
VII - A Páscoa no exílio babilônico (598-537 anos antes de Cristo)
Durante o exílio na Babilônia, o povo exilado desenvolveu a esperança de que Javé poderia libertar, de novo, Israel. Este tema é muito abordado pelo profeta anônimo do exílio, cujas palavras foram editadas no livro de Isaías, capítulos 40 a 55.
  • Desaparece a atividade cultual no Templo (destruído em 587 a.C.). Surge a Sinagoga e cresce a produção literária;
  • Volta o sacrifício da rês menor (ovelhas e cabras);
  • A celebração volta para a família e o ritual de sangue volta a ter o sentido de símbolo da defesa contra o "exterminador";
  • Percebe-se pequenas variações na celebração:
  1. não jogar fora algumas partes do animal sacrificado;
  2. não quebrar os ossos do animal sacrificado;
  3. permissão para celebrar a Páscoa no 2º. mês para quem não pôde sacrificar no 1º. mês (Nm 9.1-14);
  4. passou a ser permitida a participação de estrangeiros.
  • Começou aparecer uma distinção entre Páscoa e Ázimos, como celebrações distintas:
Festa dos Ázimos: nos dias 1 a 7 do primeiro mês do ano;
Festa da Páscoa: no dia 14 do mesmo mês.
VIII - Páscoa no período Grego
  • Os livros de 1 e 2 Crônicas e Esdras indicam que a Páscoa preservou alguma cerimônia para o Templo, mas a refeição pascal foi mantida no templo;
  • O gado maior foi readmitido como parte da cerimônia;
  • A carne deve ser assada e não cozida;
  • O leigo executa o ritual de sangue (2 Cr 30.21; 35.11);
  • Páscoa e Ázimos voltam a integrarem-se;
  • O levita passa a ter um papel relevante na celebração;
  • A música passa a ser parte da celebração;
  • O copo de vinho passa a ser parte da cerimônia;
  • A Páscoa retornou ao Templo como parte do culto oficial, mas preservou-se a refeição para o ambiente familiar.

Resumindo

  1. A Páscoa pré-mosaica é marcada pelo medo do exterminador maxehit. O ritual tinha algo de "magia" para afugentar os males. É bom lembrar que, nessa época, o povo sacrificava os primogênitos recém-nascidos para ganhar favores divinos (conforme Gn 22);
  2. O povo bíblico tomou todos os costumes e práticas pagãs e os passou pelo crivo da fé javista. Tanto no sacrifício dos primogênitos (Gn 22), como no ritual da Páscoa, o povo bíblico converteu tais cerimônias às práticas e confissões de fé javistas. Em ambas situações, o medo prendia as pessoas e forçava-as a praticarem cerimônias inúteis e criminosas. Foi Javé quem abriu os olhos do povo bíblico. Este se tornou um missionário entre as nações para anunciar as boas novas: "Não temais! Eis que vos trago uma boa nova que será para todo o povo" (Lc 2.10). A Páscoa anuncia o fim do medo e, conseqüentemente, a confirmação da confiança em Deus.
  3. A celebração da Páscoa não é uma cerimônia de nostalgia do passado; não é uma festa da saudade onde heróis e heroínas são lembrados/as por seus atos de valentia; também não é um ritual que procura romantizar o passado, lembrando e homenageando certas figuras da história.
  4. Na Bíblia Sagrada, dois verbos sobressaem-se: "lembrar" e "esquecer". Quando a Bíblia apela para que o povo lembre dos grandes atos de Javé (conforme Ex 13.3), ela está procurando construir o futuro da nação. A memória dos grandes atos salvíficos de Deus mobiliza a fé da sociedade e fortalece o povo para esperar as boas novas do Reino de Deus. Esquecer o que Deus fez e faz significa a tragédia da humanidade.
  5. Celebrar a Páscoa é resgatar os atos salvíficos de Deus no passado, acreditando que Ele possa fazer o mesmo, entre nós, no dia de hoje. A memória do passado salvífico - seja da libertação no Egito, seja da vida e obra de Jesus Cristo - restaura as forças dos/as crentes celebrantes para o testemunho.
  6. Na verdade, a memória carrega o sentido de redenção, seja dos atos salvíficos de Deus, através da história, bem como a redenção das causas justas do passado. Assim, a memória resgata tanto a vida e obra de Jesus como a luta dos pobres pela dignidade de viver. Pela memória, redimimos o desejo e a luta deles. Assim, se esquecermos os desafios do povo de Deus no Antigo Testamento, os ensinos de Jesus Cristo ou os anseios justos do povo fiel, pomos a perder o sentido desses projetos. A intenção da celebração da Páscoa afirmar que cada geração de celebrante tem o dever de pôr em prática os verdadeiros e justos projetos das gerações do passado.

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Jesus é Preso....

Jesus é Preso - A Traição de Judas


Jardim do Getsêmani, os discípulos de Jesus descansam, após terem presenciado a grande agonia que o Mestre passara, com seu suor tornando-se em sangue.
Jesus prevê a sua traição por Judas Iscariotes e sua consequente prisão. Jesus tinha uma grande preocupação com seus discípulos, para que não fossem presos também.
Sob uma afetuosa vigilância do Mestre, os discípulos dormiam. Depois de algum tempo, já se podia ouvir os passos da turba que vinha para prender Jesus. O Mestre os desperta com o aviso de que já estavam muito próximos aqueles que buscavam prendê-lo.
"E voltou terceira vez, e disse-lhes: Dormi agora, e descansai. Basta; é chegada a hora. Eis que o Filho do homem vai ser entregue nas mãos dos pecadores. Levantai-vos, vamos; eis que está perto o que me trai." Marcos 14:41-42
a traição de judasA Traição de Judas com Um Beijo. Jesus é Preso.

A Traição de Judas

Após ter saído do Cenáculo, onde participou da última ceia de Páscoa, Judas Iscariotes não perdeu tempo para arquitetar a sua traição. Ele foi até os príncipes dos sacerdotes e informou que aquele era o melhor momento para executar o plano. Judas era o responsável por entregar Jesus.
Judas recebeu imediatamente uma escolta. Dentre eles, iam servos do Sinédrio, guardas do templo, capitães da guarda do templo, membros do Sinédrio e alguns soldados romanos, que pertenciam à guarnição que estava aquartelada na torre Antônio, construída a nordeste do templo.
A lua de Páscoa brilhava intensamente naquela noite, iluminando parte do horto coberto de árvores, local onde Jesus costumava passar a noite com seus discípulos, quando não ia para Betânia.
A escolta não saberia quem Jesus era. À noite seria ainda mais difícil de distinguí-lo de seus apóstolos. Foi combinado um sinal para mostrar quem deveriam prender. Eles não esperavam que o salvador se apresentasse espontaneamente.
"Ora, o que o traía, tinha-lhes dado um sinal, dizendo: Aquele que eu beijar, esse é; prendei-o, e levai-o com segurança." Marcos 14:44
Entre os judeus, o beijo era uma forma costumeira de saudação. A utilização deste sinal, revela toda hipocrisia e perversidade que estava no coração de Judas Iscariotes. Judas transformou um sinal afetuoso de amizade e ternura em símbolo da traição.
Judas Iscariotes, ao ver Jesus no jardim do Getsêmani, se põe à frente e o beija no rosto.
"E, logo que chegou, aproximou-se dele, e disse-lhe: Rabi, Rabi. E beijou-o." Marcos 14:45
jesus é presoJesus é Preso e Conduzido à Pilatos.

O Mestre mostrou a Judas que ele não o enganava com sua hipócrita e falsa saudação. Mesmo sendo traído pelo beijo de Judas, ainda assim, num gesto de amor àquela pobre alma, faz um último apelo à consciência do traidor. Jesus queria que ele refletisse e se arrependesse.
"E Jesus lhe disse: Judas, com um beijo trais o Filho do homem?" Lucas 22:48
Muito interessante constatar que foi preciso um beijo de Judas, ou seja, um sinal para que se soubesse quem deles era Jesus. Jesus era muito parecido com seus discípulos. Jesus era "igual" aos demais que o seguiam.
E é lindo aprender que Jesus fez a diferença, se fazendo igual à nós. Pra Jesus, "fazer a diferença é ser igual". Enquanto há diversas pessoas que querem "ser diferentes", querem ser notados, ser melhores que os outros; Jesus se fazia em igualdade.

Jesus é Preso

Cenas dramáticas se dão em seguida! A turba armada de espadas e varapaus. Religiosos cheios de ódio e sede de vingança. Um banho de sangue poderia acontecer naquele cenário cheio de tensão. Jesus mesmo se entregou aos inimigos, dando passos à frente, indo ao encontro deles.
É lindo ver a consciência da missão messiânica de Jesus. Ele não fugiu do seu destino, antes se entregou para ser preso e sacrificado por todos nós.
E Jesus se apresenta de uma forma majestal. Quando diz: "Sou eu", disse como Deus, de forma que ninguém conseguiu ficar de pé, diante do seu poder. Todos caem por terra! E isto prova que ele se entregou mesmo! Foi por muito amor!
"Responderam-lhe: A Jesus Nazareno. Disse-lhes Jesus: Sou eu. E Judas, que o traía, estava com eles. Quando, pois, lhes disse: Sou eu, recuaram, e caíram por terra." João 18:5-6

Jesus é Preso: Pedro Fere a Orelha de Malco

Os soldados e os guardas do templo lançam-se sobre Jesus e o prendem brutalmente. A tensão sobe. Pedro saca a espada que levava e fere a orelha direita de Malco, servo do sumo sacerdote Caifás. A luta era desigual. Jesus logo interfere e o cura imediatamente.
Jesus sabia das cuéis represálias que os discípulos poderiam enfrentar. E era chegada a hora de beber do cálice amargo.
"Então Jesus disse-lhe: Embainha a tua espada; porque todos os que lançarem mão da espada, à espada morrerão." Mateus 26:52
Jesus rejeitava qualquer intenção de resistência. Os discípulos conseguem fugir, e assim o Mestre é preso e levado para ser ouvido por Anás.

My Instagram

O Evangelho de Jesus Cristo, alçando o Mundo!